Vereadores da bancada da oposição alertão contra o aumento abusivo na taxa de esgoto

AUMENTO ABUSIVO NA CONTA DE AGUAS – VAMOS REAGIR E NÃO ACEITAR ESTE ABUSO QUE SACRIFICA A NOSSA POPULAÇÃO

Os vereadores Thiago Malagoni, Humberto-Bebé, Greyce Elias, Marcilene Jacinto, Joel de Carvalho e Neusa Mendes estão do lado do povo e não aceitam este aumento que o DAEPA vem anunciando e que está deixando muita gente sem dormir. Depois de receber as informações solicitadas da Administração Pública, os Vereadores se convenceram de que o aumento pretendido pelo DAEPA é indevido e desnecessário. Anunciam que será de 8,12%, mas, na realidade para o bolso do contribuinte este aumento vai muito, além disso, 40% no esgoto, somado ao aumento na agua, chega ao absurdo de 48,12% de aumento. O valor cobrado a título de prestação de serviços de esgoto é proporcional ao valor pago pela água, que até o momento corresponde a 50%. A proposta abusiva pretende passar o valor do esgoto para 70% do valor da água. Para justificar o aumento, afirma o DAEPA que várias estações de tratamentos de esgoto foram realizadas em nossa cidade, mas nada foi feito com dinheiro municipal, houve recursos financeiros do Governo Estadual e Federal, e ainda o serviço prestado está longe de ser adequado, como determina a Constituição Federal. Ora, a tarifa deve ser fixada ou reajustada de forma a garantir serviço adequado com modicidade, eficiência, observando a capacidade contributiva do contribuinte, dentre outros, e ainda, qualquer reajuste deve ser justificado já que a população deve ser bem informada sobre onde seu dinheiro está sendo gasto. O que o povo tem conhecimento é a falta de respeito e humanização no atendimento dos serviços público, falta tudo, as ruas esburacadas, a cidade totalmente largada num verdadeiro caus. Sem contar que falta saúde, segurança, etc. Consta da informação prestada e escuta-se diariamente na imprensa local pelos dirigentes do DAEPA de que a receita não está sendo suficiente para pagar as despesas. Se é assim porque gasta-se tanto com publicidade, já que a cidade está coberta de painéis e propagandas distribuídas em todos cantos e veículos de imprensa. Se não tem recursos, deve-se iniciar com redução de gastos, diminuir a farra com o dinheiro público e não com aumento de impostos, taxas e tarifas. A população não pode ser prejudicada com tal aumento sem que tenha o benefício correspondente. Não podemos aceitar isso. O povo de Patrocínio não merece tanto descaso. Patrocínio/MG maio de 2015. Thiago Malagoli, Humberto-Bebé, Greyce Elias, Marcilene Jacinto, Joel de Carvalho e Neusa Mendes