Credor é obrigado a limpar nome de cliente, decide STJ


A retirada do nome do consumidor que já saldou suas dívidas dos cadastros de proteção ao crédito é obrigação do credor, e não do devedor. A decisão é do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e foi publicada no site do órgão na segunda-feira (4), servindo como orientação para as demais instâncias.

O entendimento é consequência de recurso de uma empresa de crédito contra decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), que a condenou a pagar indenização de R$ 5 mil por danos morais. 

O motivo foi a manutenção indevida do nome de um consumidor em cadastros de proteção ao crédito.

“Após receber o pagamento, o credor tem cinco dias para excluir o nome do consumidor. 

O registro no cadastro de devedores passa a ser considerado abusivo após esse prazo” explicou a ministra Nancy Andrighi, da Terceira Turma do STJ, que ano passado condenou um credor em ação semelhante.

A decisão foi adotada em razão do que estabelece o artigo 43, parágrafo 3º, e no artigo 73, ambos do Código de Defesa do Consumidor. Esse último dispositivo caracteriza como crime a falta de correção imediata dos registros de dados e de informações inexatas a respeito dos consumidores.

Se o consumidor não tiver o nome limpo em até cinco dias úteis após o pagamento ou a renegociação da dívida, ele poderá entrar na Justiça. O valor da indenização vai ser determinado pelo juiz.
Produzido por Carolina Tafuri

Fonte: STJ

Postagens mais visitadas deste blog

Atrações da Expopatrô 2012 está praticamente definido

Neste domingo em Patrocínio aconteceu um mega encontro de praticantes de paintball

Comando do Cerrado apresenta esporte novo na cidade