Bebê tem os dois pés queimados por enfermeiras em Serra do Salitre MG


Um bebê de apenas 14 dias teve os dois pés queimados, em Serra do Salitre, no Alto Paranaíba. Segundo a mãe da vítima, as queimaduras foram provocadas por um acidente dentro de uma unidade do Programa de Saúde da Família (PSF), quando as enfermeiras faziam o Teste do Pezinho na criança.De acordo com a mãe e familiares do menino, duas enfermeiras aqueceram um tecido com ferro de passar roupa e colocaram no pé do recém-nascido. O objetivo era facilitar a retirada do sangue para a realização do exame. “A primeira enfermeira estava fazendo isso e não houve nada. A outra chegou, a primeira foi até a sala para buscar uma luva para recolher o sangue. Ela tirou o ferro de cima do pano e colocou o pano em cima do pé. Elas não nos mostraram a bolha no pé. Fizeram o curativo, colocaram a meia e não nos mandaram retirar. Quando chegamos no Conselho Tutelar, o policial tirou a meia e aí que fomos ver que o outro pé também estava queimado”, disse Dona Eliana, avó da criança.Método que utiliza ferro de passar não poderia tersido utilizado (Foto: reprodução/TV Integração)A mãe do bebê, Aline Cristina de Souza, lamentou a situação. “Porque ela não me chamou e mostrou o erro? Ela quis acobertar o erro. Ela devia ter me chamado e mostrado, pois sabia que de um jeito ou de outro iria dar problema. Me chamasse e dissesse, foi uma fatalidade. Mas, não, ela não me mostrou.”A família do bebê informou, ainda, que o procedimento de esquentar o pano e colocar nos pés das crianças, na hora do teste, era feito com frequência na Unidade.saiba maisAdolescente mata irmão a facadas em Serra do Salitre, MGFrota reduzida de ambulâncias gera problemas em Ituiutaba, MGO Conselho Tutelar está acompanhando o caso e confirmou que a criança foi queimada durante o exame. “Através das eventualidades do que presenciamos a criança foi vitimada no Posto de Saúde em decorrência do Teste do Pezinho”, afirmou o conselheiro Geraldo Giovani França Junior.Segundo a secretária de Saúde do município, Aline Aparecida Gonçalves, esse tipo de procedimento era usado antigamente e atualmente não é mais permitido. Ainda, segundo a secretaria, as duas profissionais foram afastadas do cargo e, por isso, o PSF está temporariamente sem enfermeira. “Esse procedimento não pode ser realizado e já tomamos providências. Elas foram afastadas e eu estou acompanhando a questão da criança, que é mais do que uma obrigação. Vamos apurar o caso para que a justiça seja feita”, concluiu.Fonte: g1.globo.com/minas-gerais/triangulo-mineiro